Quais são os principais tipos de depressão?

Quais são os principais tipos de depressão?

 

No caminho entre o preto e o branco, nossos olhos são capazes de distinguir 30 tons de cinza. Todos integram a mesma escala de cor, mas cada um deles tem nuances únicas. O mesmo raciocínio pode ser aplicado à depressão: não se trata de uma doença idêntica para seus 320 milhões de portadores espalhados pelo planeta.

Entre a alegria pura e a tristeza mais profunda, há um espectro de sentimentos e manifestações capazes de repercutir na vida e exigir o olhar de um profissional de saúde. Conheça, abaixo, os principais tipos do transtorno:

Depressão maior

É o tipo mais comum e genérico. “Seus sintomas são tristeza, angústia, desânimo, culpa e alterações no sono, no apetite, na concentração e na libido que persistem por muito tempo”, lista o psiquiatra Volnei Costa, da Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos.

A doença se divide em três graus: leve, moderado e grave. Cada um possui a sua abordagem — aliás, não é porque a situação é mais branda que dá para relaxar e ignorar seu impacto no dia a dia.

Sazonal.

Essa não costuma dar tanto as caras no Brasil ou em outros países com temperaturas mais elevadas e clima ameno. Porém, é um tormento sério em lugares como o norte dos Estados Unidos, o Canadá, a Islândia, a Dinamarca e a Noruega.      Quais são os principais tipos de depressão?

Durante o inverno, há pouca luz natural nesses locais — o dia começa tarde e já fica escuro de novo lá pelas 14 ou 15 horas. E a falta do sol afeta os indivíduos mais suscetíveis, que se tornam bastante deprimidos durante as épocas de frio extremo.

Tratamento: além do combo básico (medicamentos, terapia e hábitos saudáveis), uma alternativa bem eficaz é a fototerapia. O paciente fica durante um tempo dentro de uma cabine de luz. Isso beneficia certas regiões do cérebro dele.

Quais são os principais tipos de depressão?
Quais são os principais tipos de depressão?

Distímica.

O termo está caindo em desuso na medicina, mas você pode encontrar profissionais que falam sobre essa versão da melancolia.

Ela é caracterizada por sinais bem leves, quase imperceptíveis, que perduram por dois anos ou mais. A pessoa acaba aprendendo a conviver com aquilo e, por mais prejuízos que tenha no dia a dia, não conversa com ninguém sobre o assunto.

O problema é que o quadro pode se aprofundar rapidamente e provocar sérios danos à saúde física e mental.

Tratamento: a psicoterapia é especialmente estratégica por aqui: durante as sessões, será possível identificar os sintomas e as melhores maneiras de desarmá-los a tempo. Fazer atividade física é outra boa pedida para elevar o ânimo.

Cursos Online que ajudaram muitas pessoas:

Despertar da Cura Quântica

Despertar do Amor

Fórmula da Positividade

Kit Videos Motivação e Humor

Neo-Equilibrium – Curso de Meditação

Programa: Controle da Ansiedade em 4 Semanas

Reprogramação Mental – Coleção Completa 17 áudios

Atípica.

Apesar do nome, ela é prevalente e intriga os experts. A diferença está na forma como se manifesta.

“Ela segue um padrão peculiar: em vez de sonolência excessiva, dá insônia. Enquanto nas outras há perda de apetite, nela ocorre um aumento na ânsia por comer”, exemplifica o médico Ricardo Alberto Moreno, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Outras características são a piora dos sintomas no final do dia e um humor mais sensível e irritável.

Tratamento: além dos antidepressivos básicos, o psiquiatra irá avaliar a necessidade de prescrever fármacos da classe dos estabilizadores de humor. Eles são muito utilizados em outros transtornos, como a bipolaridade.

Depressão: sintomas, diagnóstico, prevenção e tratamento.

Considerada o “mal do século” pela Organização Mundial da Saúde, a depressão ainda é um desafio para médicos e pacientes. Conheça seus detalhes

A depressão é caracterizada pela perda ou diminuição de interesse e prazer pela vida, gerando angústia e prostração, algumas vezes sem um motivo evidente. Michael Phelps, por exemplo, revelou sofrer demais com o problema após as Olimpíadas de 2012, quando ganhou seis de suas 28 medalhas olímpicas. Hoje, a depressão é considerada a quarta principal causa de incapacitação, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Esse transtorno psiquiátrico atinge pessoas de qualquer idade — embora seja mais frequente entre mulheres — e exige avaliação e tratamento com um profissional. O desânimo sem fim é fruto de desequilíbrios na bioquímica cerebral, como a diminuição na oferta de neurotransmissores como a serotonina, ligada à sensação de bem-estar.

Hoje se sabe que a depressão não promove apenas uma sensação de infelicidade crônica, mas incita alterações fisiológicas, como baixas no sistema imune e o aumento de processos inflamatórios. Por essas e outras, já figura como um fator de risco para condições como as doenças cardiovasculares.

Quais são os principais tipos de depressão?
Quais são os principais tipos de depressão?

Fonte da ansiedade é revelada. E possível novo tratamento também

Há boas notícias para os quase 10% da população brasileira que sofrem com a ansiedade: cientistas americanos acabam de fazer uma descoberta essencial para possibilitar a invenção de novos (e bem eficazes) tratamentos para esse transtorno psíquico. Eles encontraram, em animais, o lugar exato do cérebro em que esse problema tem início.

Pesquisadores das universidades da Califórnia e Columbia analisaram a atividade cerebral de ratos enquanto percorriam um circuito criado especialmente para a experiência. Nesse trajeto, alguns caminhos levavam a espaços abertos ou plataformas mais elevadas de propósito, já que esses ambientes são conhecidos por gerar ansiedade nos animais – ora, situações assim aumentam a vulnerabilidade a predadores. Quando os roedores chegavam a esses locais, os cientistas podiam observar uma atividade mais intensa em um tipo específico de neurônio, situado no hipocampo. Seria a “célula da ansiedade”.

Assunto Relacionados:

Vencendo a Ansiedade e Depressão com Carlos silva

O que é depressão!! Fatores de risco para depressão

Depressão e os Transtornos Depressivos Maior

Transtorno bipolar: Doença maníaco-depressiva

Ansiedade pode ser um dos primeiros sintomas de Alzheimer.

Esse transtorno psicológio pode ajudar a descobrir cedo – e, ao tratá-la com antecedência, diminuir seus efeitos

Um novo estudo, realizado por pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital em Boston, nos Estados Unidos, pode ter encontrado uma relação direta entre altos níveis de ansiedade e a aparição de Alzheimer em pessoas com idade avançada.        Quais são os principais tipos de depressão?

Até então, pesquisas anteriores haviam apontado depressão e outros sintomas neuropsiquiátricos como possíveis sinais precoces de Alzheimer em sua fase pré-clínica, quando há um acúmulo maior de proteína beta amiloide no cérebro de pacientes. Ess estágio da doença pode acontecer até uma década antes dos efeitos próprio da demência começarem a aparecer.

Os investigadores, porém, examinaram a associação do surgimento dos beta amiloides e as medidas de sintomas depressivos em 270 pacientes homens e mulheres, entre 62 e 90 anos, sem desordens psiquiátricas. Então, perceberam que níveis mais altos do peptídeos podem estar associados com sintomas de ansiedade crescentes. Em resumo: a ansiedade pode ser um sinal precoce de Alzheimer.

Problemas psiquiátricos podem ser sinais precoces do Alzheimer.

Estudo indica que males como ansiedade e depressão não seriam fatores de risco para a doença, mas seus sintomas iniciais

Alguns problemas psiquiátricos, como depressão e ansiedade, já foram associados ao Alzheimer – uma doença que apaga as memórias e afeta cerca de 1,2 milhão de pessoas no Brasil. Eis que um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, agora aponta esses transtornos que abalam o bem-estar mental como sintomas iniciais da demência (e não como fatores de risco para ela).

Como os cientistas americanos chegaram a essa conclusão? Eles, antes de tudo, pediram uma ajuda a companheiros brasileiros do Biobanco de Estudos do Envelhecimento da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Nesse local são armazenados tecidos cerebrais coletados em autópsias, bem como os resultados de exames feitos com eles.

A partir daí, os experts selecionaram amostras de 455 pessoas que morreram com mais de 50 anos, entre 2004 e 2014. Alguns dos cérebros incluídos no experimento possuíam sinais claros da presença de Alzheimer – como a presença de moléculas conhecidas como TAU e beta-amiloide –, enquanto outros estavam livres de qualquer degeneração.

Para completar, eles utilizaram informações fornecidas pelos familiares e cuidadores sobre o estado cognitivo dos pacientes enquanto estavam vivos. E, também, sobre a eventual presença de distúrbios psiquiátricos.

Cruzando os dados a partir de métodos científicos, a equipe da Universidade da Califórnia revelou que concentrações da molécula TAU no cérebro foram vinculadas a traços de ansiedade, agitação, depressão, perturbações do sono e alterações de apetite. Detalhe: em muitos casos, o indivíduo já sofria com esses comportamentos alterados, mas não com a perda de memória ou os déficits cognitivos, tidos como manifestações clássicas do Alzheimer.

Quais são os principais tipos de depressão?
Quais são os principais tipos de depressão?

5 fatos sobre o Alzheimer que todo mundo precisa conhecer

A doença de Alzheimer acomete sobretudo os idosos, é incurável e se agrava com o tempo. O principal sintoma desse declínio cognitivo é a perda progressiva da memória. Mas essa doença, cheia de particularidades, vai além disso. Destacamos alguns pontos importantes que todo mundo deveria saber. Confira:

1 – Ela é cada vez mais comum

Quase 44 milhões de indivíduos ao redor do mundo têm Alzheimer. E as projeções esboçam um aumento exponencial: em 2030, 75 milhões serão afetados pela doença, quantidade que deve pular para 135 milhões em 2050. Há uma explicação clara para essa provável guinada: o aumento da expectativa de vida.

2 – Os médicos ainda não conhecem muito bem sua origem

Os cientistas ainda não chegaram a um consenso sobre os motivos que causam o declínio cognitivo. Eles sabem que há um aumento de uma proteína chamada beta-amiloide nas redondezas dos neurônios, que gera placas capazes de destruir as conexões entre as células. Outra causa conhecida tem a ver com uma proteína, chamada Tau, que forma novelos prejudiciais aos neurônios. Ninguém desvendou, porém, quais fatores desencadeiam esse processo.

3 – A maioria dos medicamentos falha

Segundo um levantamento da Clínica Cleveland, nos Estados Unidos, 99% das drogas testadas entre 2002 e 2012 contra esse tipo de demência não trouxeram qualquer resultado positivo. E isso tem tudo a ver com o tópico anterior, já que os especialistas não sabem o que atacar exatamente. Outro motivo para a falta de remédios eficazes é que, nos estágios graves, por mais que se retire a proteína que embaralha a memória, as células nervosas já morreram — e não há como reverter a situação. O diagnóstico geralmente é tardio, dificultando a eficácia dos tratamentos que retardam a progressão da doença.        Quais são os principais tipos de depressão?

4 – Não é só a memória que sofre

Estudiosos da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, recrutaram 130 voluntários — uma parcela com a enfermidade e outra sem quaisquer problemas. Todos experimentaram tiras alimentícias (uma espécie de papel com sabores diversos). Ao final do teste, 26% dos sujeitos com o quadro moderado não sentiram o gosto direito, ante 3% dos que possuíam o cérebro intacto. E não é só o paladar que sai perdendo quando o Alzheimer ganha terreno. Cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) constataram que a proteína beta-amiloide também provoca transtornos depressivos. Linguagem, atenção e orientação espacial também são abaladas.

5 – Tem como prevenir

Apesar desse mal não ter cura, algumas medidas simples ajudam – e muito – a preveni-lo.

Mexa o corpo: pesquisadores das universidades da Califórnia e de Pittsburgh, ambas nos Estados Unidos, descobriram que quem se exercita mais tem um cérebro maior, sobretudo em áreas associadas à memória e ao Alzheimer, a exemplo do hipocampo. Os experts calcularam que o risco de desenvolver a doença caiu pela metade nesse pessoal.

Mexa também a cabeça: quanto mais exercitar o cérebro, melhor. Desafie o raciocínio com leituras, cursos, jogos de videogame… A inatividade cognitiva aumenta em 19% o risco de ter Alzheimer.

Controle o peso: Manter-se em forma evita danos às artérias que, com o passar dos anos, boicotam as atividades neuronais. Nesse sentido, também é crucial controlar colesterol, pressão e diabete.

Alimentação: Uma dieta rica em peixes, azeite de oliva, vegetais e castanhas resguarda os neurônios. Frutas vermelhas são outra ótima pedida.      Quais são os principais tipos de depressão?

 

Noticias Web

Noticia Web foi criado para trazer noticias relevantes a você, que quer ficar informado do dia dia do nosso Brasil e mundo. OBRIGADO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *